17 de dezembro de 2013

Who You Love - John Mayer ft. Katy Perry

Oi!!!

Bom, nunca escondi todo meu amor pelo lindo-maravilhoso-espetacular John Mayer, né? Então, hoje, dia 17 de dezembro de 2013, o cara chegou mais uma vez para me encher de amores, e desta vez em dose dupla, porque é o lançamento do clipe "Who You Love" (uma música com a letra sensacional como todas as outras) e também por conta do dueto com uma mulher incrível, sim, dona Katy Perry! E eles vieram decididos a mostrar todo amor que cada um guarda dentro de si! E o meu troféu de melhor casal vai pra eles, com certeza!

 

 

Como não viver de amores por esse casal?
Eles são incríveis, maravilhosos!

E Who You Love, hein? Tudo lindo! 
Me sinto cada vez mais apaixonada todas as vezes que aperto o play!

Clipe Oficial:



O que vocês acharam do clipe?
Lindeza total, né?

Beijitos!

Thaís

13 de dezembro de 2013

Confissões de Adolescente. (2014)




Muitas pessoas já sabem da minha paixão por filmes nacionais - acredito que isso tenha feito um ponto de interrogação enorme na sua cabeça -, mas é isso, sou extremamente apaixonada por eles. Bom, o post de hoje é sobre um filme nacional que está despertando em mim uma baita vontade de acelerar as horas e adiantar os dias, é o Confissões de Adolescente.

Livro de Maria Mariana que originou a peça teatral e uma série televisiva exibida no Brasil entre 1994 e 1996, não acompanhei porque nem era nascida, mas pretendo ir atrás dos capítulos na íntegra e assistir tudinho. Enfim, o filme retratará as confissões (e confusões) de quatro irmãs que passam pelos caminhos da adolescência entre 13 e 19 anos. Dúvidas, amores, decisões e aventuras, tudo isso fará com que este seja um filme no qual pelo menos a maioria dos adolescentes se identificarão. 

Trailer:



Elenco: Sophia Abrahão, Isabella Camero, Malu Rodrigues, Clara Tiezzi, Georgiana Góes, Bruna Griphão, Olívia Torres, Deborah Secco, Hugo Bonemer, Caio Castro, Thiago Lacerda, Cássio Gabus Mendes.
Direção: Daniel Filho
Roteiro: Daniel Filho e Maria Mariana
Globo Filmes
Data prevista para estréia: 10 de janeiro de 2014

E aí, vamos?

Espero que tenham gostado!

Beijos! 



10 de dezembro de 2013

Sintomas de amor.

Love is in the air

Ficamos. Terminamos. Nos falamos pela última vez em janeiro ou fevereiro deste ano, eu sentia a ausência de alguém nestes 11 ou 10 meses, mas não sabia exatamente de quem, preferi guardar este sentimento só pra mim e ver o que acontecia, já que nem eu mesma conseguia decifrar o turbilhão de coisas que se entrelaçavam na minha cabeça e no meu coração. Ligo o computador, entro no Twitter, Facebook e Youtube, sites de praxe, e, por mais incrível que pareça, ao acessar o youtube a primeira música que ouço é aquela que me lembra um certo alguém, ok, esse é o tipo de coisa que temos que superar. Volto para o facebook e vejo uma solicitação de amizade pendente. É ele. Ele me achou. Só pode ser o destino.

O coração acelera, a mão começa a suar, as pernas começam a trepidar, não sei o que pensar, muito menos o que falar. Olho o instagram, ganhei um seguidor, é ele. Ele também me achou no instagram! Como assim?! Juro que nunca pensei que ele fosse capaz de lembrar meu "sobrenome-não-registrado". Acho que ele é mais incrível do que eu pensava.
Chat no facebook, conversamos do mesmo jeito do dia em que nos conhecemos, em 2007. Parece que a conversa nunca teria fim, mas aí a minha insegurança gritava mais alto todas as vezes que ele demorava uns dois ou três minutos para responder, parece que ele sairia sem me dar tchau ou que, para ele, o assunto tinha acabado ali, mas não, ele demorava porque sempre fazia questão de usar palavras bonitas, sem abreviações e com mais de quatro linhas. Ele ainda é incrível. Pergunto da minha filha (no caso a irmã dele que - não sei porque - sempre me chamava de mãe), tia Helô e tio Alberto (meus ex-sogros), e ele, como sempre, fala da família com tanto amor e isso faz com que eu me encante ainda mais.

Conversamos sobre a vida durante umas 4 horas - as quatro horas mais rápidas da minha vida -, bate um medo da hora do tchau estar se aproximando, de nos despedirmos e demorarmos mais ainda para conversarmos de novo, enfim, ele precisa descansar, amanhã acorda cedo pra ir ao colégio. O frio na barriga continua e então ele, com o eterno poder de me acalmar, diz que agora, mesmo se não voltarmos a ser como éramos antes, estamos ligados acima de tudo pelo coração, pelo sentimento inacabável que temos um pelo outro e que independentemente do que o destino preparou pra nós, o que ele quer é a minha felicidade. E vice-versa. Talvez eu esteja boba demais escrevendo isso daqui, mas, talvez, isso também esteja entre os sintomas do amor. 

9 de dezembro de 2013

Cantores nacionais favoritos!

Oi!!!

Há um tempo venho recebendo algumas perguntas sobre as cantoras (e cantores) nacionais que mais ouço, então o post de hoje é para, de certa forma, mostrar um pouco do meu gosto musical, mostrar os meus ídolos da música desse Brasil, colocarei os doze que mais escuto sempre, sendo seis cantoras e seis cantores! :)


Luiza Possi ♥





Monique Kessous ♥





Sandy Leah ♥





Isabella Taviani ♥




Vanessa da Mata ♥


                                     







Mallu Magalhães 












Marcelo Jeneci ♥ 




Seu Jorge ♥




Paulinho Moska ♥



                                      



Leandro Léo 





Zeca Baleiro ♥





É isso, aí estão os doze que sempre estão nas minhas playlists do celular!
Espero que tenham gostado!

Beijitos! 

















6 de dezembro de 2013

Wishlist. #1



Oi!!

Bonitos e bonitas, fui indicada pela Cams (do Menina Desastrada - obrigada, Camila!) para fazer uma wishlist de dezembro, ou seja, falar sobre cinco coisas que pretendo fazer até o final deste mês!


  1. Fazer o planejamento das viagens do ano que vem: Decidi que não vou mais deixar tudo pra cima da hora, principalmente as viagens, aliás, é sempre bom ver com antecedência, até mesmo pra economizar e fazer uma viagem tranquila, sem problemas. 
  2. Matrículas dos cursos de 2014: Preciso fazer logo as matrículas dos cursos que quero fazer ano que vem, são eles: teatro, música e fotografia (presencial). Neste ano deixei pra organizar tudo em janeiro e fevereiro, tcharã, as turmas já tinham sido fechadas, sendo assim, fiquei por fora de (quase) tudo, consegui entrar no teatro, mas a correria escolar me deixou louca o suficiente para decidir adiar mais um ano de curso; na Escola de Música de Brasília as turmas já tinham sido fechadas e turmas novas não seriam abertas tão cedo; procurei aulas de fotografia, mas as matrículas tinham acabado, então entrei num curso à distância pelo iPED (inclusive farei um post sobre isso em breve) com carga de 20 horas.
  3. Reencontrar amigos da turma de escola do ano passado: A pior parte de mudar de escola é o fato de que, mesmo não perdendo totalmente o contato com os colegas de classe, você acaba se distanciando de alguns e a saudade cresce com o passar do tempo, como é quase impossível acharmos uma data durante o ano letivo que dê para todos nós nos encontrarmos, dezembro é sem dúvida o melhor mês pra juntar a galera e colocar o papo em dia!
  4. Decoração de Natal: Juro que não sou a rainha da decoração, e, confesso que morro de preguiça de sair pra comprar e arrumar todos os enfeites natalinos, mas não sei o que aconteceu, este ano estou bem animadinha pro Natal, a ponto de estar no pique para organizar tudo, deixar tudo do meu jeito!
  5. Viajar: Melhor parte do mês de dezembro: viagem! Ufa. Não sei porque, mas parece que a viagem deste mês é a melhor, não só porque é Natal ou o início de Ano Novo, mas é como se fosse o marco das férias, onde estou livre de tudo aquilo que me agoniou durante os outros meses! É isso.

São essas as principais coisas que quero fazer neste mês, e, de preferência, antes do Natal!!!!

Sintam-se a vontade para fazer essa wishlist e quero saber sobre vocês, quem quiser fazer e depois deixar o link aqui nos comentários... fiquem 'avonts', verei tudinho!!!

Beijos,

Thaís. 

4 de dezembro de 2013

Adeus, solidão.

darkness
Adeus, solidão. É o que pensei hoje depois de ter percebido que estava (quase) sozinha, minhas únicas companhias eram os incensos espalhados pela casa, papéis rabiscados, canetas e o som com a playlist com as 500 melhores músicas do mundo.
Eu não queria companhia melhor, ou melhor, não havia companhia melhor. As coisas que estavam ao meu redor são meus companheiros desde… desde… desde que eu me entendo por gente. Meus “melhores amigos”. Mas com o tempo percebi uma coisa: eu não preciso apenas deles. Eu preciso estar mais perto dos meus amigos, da minha família – sim, eu tenho amigos e família perto de mim-, mas eu preciso ter uma história com eles, ser muito mais do que uma ouvinte de momentos bons e ruins que eles viveram, eu preciso viver esse momento com eles. Preciso viver, é isso. Já sei o que acontece, como uma pisciana apegada resolvi logo criar um relacionamento com a solidão, mas um dia isso cansa, e eu cansei naquele momento. Pra sempre.
Cheguei á conclusão de que não sou da solidão. Ficar sozinho às vezes é bom, isso só não pode virar um costume, uma ‘sede’, porque uma hora vai fazer mal. E caso for necessário que ela se aproxime por um tempo deixe que ela fique apenas o fundamental. Digo e repito: não acolha a solidão para sempre. Dei o meu aviso. Hoje eu a deixo aqui, sozinha, para quem quer fazer dela uma grande companhia. Adeus, solidão.

2 de dezembro de 2013

Dezembro, finalmente.

FuckYeahTeenagers

Demorou, mas chegou! Ufa. Juro que já não aguentava mais esperar por dezembro. Acreditem! Não é meu mês preferido, mas é o mês do fim daquilo que, em breve, terá um novo começo. É o fim do ano, fim de mais um ano na escola, fim das atividades que temos que fazer durante um ano, é a época de deixar todas as coisas ruins que aconteceram pra trás, época de renovação.
Dezembro é, pra mim, um mês de descanso, acredito que é pelo simples fato de ser o único no qual eu consigo viajar em paz, sem pensar em correria, em voltar logo pra resolver as coisas, mas, em compensação, deixo tudo pra janeiro e acabo me enrolando.

A ideia de que dezembro tem os únicos 31 dias que são feitos para descansar já prevalece tanto que já até me acostumei com o corre-corre de janeiro. Novos cursos, novas turmas, novos conteúdos, novas metas, tudo novo. Mas enfim, não preciso lembrar disso tudo agora, vou aproveitar para organizar as coisas das viagens (para SP e RJ - farei post sobre minhas férias nessas cidades ♥).

Dezembro, na verdade, não demorou tanto assim, chegou até que rápido, acontece que esse ano me cansou muito em todos os sentidos, já não aguentava mais. Mas, claro, esse ano também teve o lado bom, consegui criar o blog, quando eu tinha um tempinho, vinha e atualizava, tive a oportunidade de conhecer pessoas incríveis através dele, meu mundo de ideias se expandiu, a minha curiosidade sobre a blogosfera aumentou e tive a oportunidade de conhecer outros caminhos que foram/são/serão importantes pra mim! Prometo que ano que vem terei mais tempo de manter o Srta. Thaís (antigo Entre Razão e Emoção) sempre atualizado. Obrigada a todos vocês que sempre me deram incentivos, obrigada pelos comentários, sugestões e e-mails. Obrigada!
Ainda vou atualizar o blog esse mês, mas, de qualquer forma, tenham um ótimo Natal e um Ano Novo cheio de luz!!! ♥


Beijos,
Thaís. 

28 de novembro de 2013

Korova

Sabe aquela loja que você tem que acessar todos os dias?
Pois é, no meu caso é a loja Korova.

Devo dizer que sou apaixonadíssima por todas as roupas da loja. Entrava em todos os sites do mundo e quase nada parecia ter a minha cara, não tinha aquele negócio do "uau, é dessa blusa que eu precisava!", era no mínimo um "ah, que bonitinha", enfim, conheci a Garagem Korova através da Nina Fontenelle e, desde então, toda vez que "vasculho" o site todinho, paro e só consigo pensar que a loja é tipo minha alma gêmea, é um apego sem fim. É uma ótima dica para quem ama blusas com tema, fora que os preços também são bons e cabem no bolso ;)

Ah, um detalhe importante: tem blusas para homens, mulheres e crianças.
Sugestão maravilhosa para presentes também! =)

Homens:











Mulheres:

 









Crianças:





       


Não aguento tanta fofura!!!



Acompanhe a Garagem Korova nas redes sociais:

Twitter: @garagemkorova
Instagram: garagemkorova
Facebook: Garagem Korova 

Site: http://www.korova.com.br


É isso, belezuras!
Espero que tenham gostado!

Hoje, Black Friday, todas as camisetas com 40% de desconto! Aproveite! =)

Bisous.










25 de novembro de 2013

Epa! Voltei.

Queridos, voltei.

Então, andei meio desaparecidinha daqui e peço desculpas, acontece que, como todos sabem, a vida não está fácil pra ninguém, estou lotada de coisas para estudar, trabalhos para entregar e também tem nosso querido e "tão amado" PAS (Programa de Avaliação Seriada) que é uma espécie de vestibular que fazemos ao longo do Ensino Médio, onde as notas dos três anos são somadas e dependendo da nota de corte do curso que você quer fazer, você já ingressa na universidade, no meu caso na UnB (Universidade de Brasília). 

Ainda estou bem sem tempo, mas como consegui me livrar dos trabalhos, estou mais tranquila e conseguirei postar coisitas pra vocês. Peço a compreensão de todos. Ah, não sei se perceberam, o blog mudou de nome e agora não é mais Entre Razão e Emoção, mudei porque não sei se tinha muito a ver com o espaço, e como sou uma das rainhas da indecisão, resolvi mudar. Espero que tenham gostado ;)

Beijos,

Thaís.

30 de outubro de 2013

Quando você voltar

Vovó Santa: Imagens

Eu fiz de tudo para fingir perfeitamente que apenas felicidade tomava conta de mim quando você me disse que foi escolhido para terminar seu curso na Alemanha, porém eu não sou nada boa em fingir e guardar palavras quando a questão é você. Estou muito feliz por ti, muito mesmo. Sei o quanto batalhou para conseguir isso e agradeço todos os dias por ter acompanhado, bem de pertinho, todo o seu esforço. A cada dia você me surpreende mais e mais, e a cada minutinho me sinto mais honrada de ser tua.
Sei que depois de ler isso você vai me chamar, de bobona, no mínimo. Ok, não me importo, já me acostumei. A ideia de ter que me afastar de você por um pouco mais de 365 dias fez com que eu me perdesse em trilhões de pensamentos e sentimentos. Fez com que o coração acelerasse no mesmo instante em que eu sentia os meus próprios batimentos cada vez mais raros.

Parte de mim se foi com você, e agora me sinto, mais uma vez, uma mulher incompleta, insegura - o que, nem de longe, eu deveria ser -. Em partes, você o responsável-pela-minha-segurança-pessoal, e se isso parece ser infantilidade, dane-se. Cada parte da minha casa parece ter um pouco de você, e a saudade bate cada vez mais forte. Se estou assistindo um filme, a primeira pessoa por quem procuro é você. Se estou preparando meu lanche, a minha vontade é de gritar perguntando se quer um também. Se vou deitar, me jogo na cama, e o primeiro cheiro que sinto é o seu. As ligações, as mensagens e as cartas já não me fazem esquecer, por um segundo que seja, a distância entre nós. Eu sinto falta dos beijos, dos abraços, dos carinhos, do tocar e até mesmo das brigas que sempre terminam bem. A única coisa que me conforta é saber que você está bem, está feliz e conquistando uma das coisas que você mais quis na vida!
Sinto uma vontade (quase) incontrolável de largar tudo e ir até você, mesmo sabendo que faltam poucos meses para te ter de novo. A questão é que ainda não aprendi a lidar com a distância, com a saudade que corrói e com a necessidade infinita de ter por perto.

Você sabe que suas coisas estão todas aqui para quando você voltar, tudo continua como você deixou. Quando você voltar, seremos de nós mesmos. De novo. Continuaremos com a vida, que mesmo com sua ausência momentânea, nunca deixou de ser nossa. A nossa vida. Todos os sentimentos ruins de meu-namorado-está-morando-longe se esgotarão no momento do reencontro. E você, seu bobo, vai ver que nunca deixei de ser tua. E que possamos viver o sentimento recíproco. 

23 de outubro de 2013

The Cure / A Cura - Filme

Oi bonitezas, então, mais uma vez fiquei estava na correria (ensino médio não é fácil, né?!) e por isso fiquei sumidinha do blog, mas estou de volta!

Como não escrevo sobre filmes há um tempo, resolvi escrever sobre um dos filmes mais lindos que já assisti na vida, "The Cure" (no Brasíl: "A Cura". Em Portugal: "Laços de Amizade").



"A Cura" é um filme norte-americano, do gênero drama, lançado em 1995 e dura 110 minutos (aprox. 1h50min), dirigido por Peter Horton e com roteiro de Robert Kuhn.

Pouquíssimos filmes conseguem me emocionar a ponto de me fazerem chorar até 2 horas depois do filme, acreditem, foi exatamente isso que aconteceu, o filme terminou e eu continuei chorando. Poderia falar sobre cada detalhe que me fizeram ficar tão comovida, mas se eu contar, não será a mesma coisa. Assistam e saberão exatamente do que estou falando :)

O filme fala de um menino chamado Erik (Brad Renfro) que é vizinho de Dexter (Joseph Mazzello), um jovem de 11 anos e que tem AIDS, Dexter não tem amigos por ter o vírus e então acaba brincando sozinho sempre, o outro, apesar de ser um menino totalmente saudável também não tem amigos e prefere seus joguinhos, ao brincarem, os meninos são separados apenas por uma cerca, até que um dia Erik resolve enfrentar o preconceito e pular a cerca para finalmente conhecer o garoto da casa ao lado, os dois criam uma parceria muito forte e Erik está disposto a enfrentar de tudo para ajudar o amigo a ser "curado" e Dexter quer ser ajudado, os dois então passam por grandes aventuras juntos, nunca ficavam sozinhos, e com o passar do tempo o filme retrata a diferença que a quebra de preconceito faz na vida das pessoas. É um filme que realmente nos faz refletir sobre a nosso vida de forma geral.

Trailer: 
(não achei o trailer dublado ou legendado).



Super indico, espero que gostem!
Ah, quando assistir (ou se você já assistiu) deixe aqui seu comentário sobre o filme, quero saber o que achou! ;)

Beijitos!


6 de outubro de 2013

Inauguração da Matinê Supperclub

Bonitezas!

Bom, é o seguinte, há uns três dias fiquei sabendo de uma matinê que acontecerá aqui em Brasília, resolvi procurar e logo achei a página da Supperclub no facebook, então fui saber mais e digo uma coisa: me encantei. De verdade! Fora a mini-divulgação do show do Marcelo Camelo no Rio, essa é a primeira vez que faço a divulgação de um evento (detalhe: não estou recebendo por isso, ou seja, não é por dinheiro, é porque realmente estou apaixonada por tudo que estou lendo em relação à matinê).

A primeira coisa que olho quando fico sabendo ou sou convidada para uma festa é o local, acho fundamental, até porque, particularmente, não consigo curtir nada quando o lugar não me agrada, fico altamente desconfortável, acredito que isso não aconteça só comigo, então peguei algumas fotos que me fizeram sentir mais vontade ainda de comparecer ao evento:

 







Viram que lugar lindo, maravilhoso, organizado e aconchegante?

Agora eu pergunto: como não sentir vontade de ir?
Amei mesmo, desde o espaço até a decoração!
O ambiente vem de inspiração Sueca, é climatizado com ar condicionado, WiFi liberado, sistema de LED em 3D, banheiros no estilo camarim e fica localizado em um dos hotéis mais requintados de Brasília!!!
Status: apaixonada. 

Gostinho do que vai rolar no bar da Matinê: 

                            
Lembrando que exatamente todas as bebidas serão sem álcool.

Ah, você faz aniversário em outubro?
Se liga nas suas vantagens de ser aniversariante do mês e participar da Supperclub:

- Lista bônus para 10 convidados terem desconto;
- 1 champagne sem álcool;
- 1 cupcake;
- Entrada vip + acompanhante;

Você só precisa mandar um e-mail para matinesupperclub@gmail.com e comparecer com um documento com foto (detalhe: a apresentação do documento serve para todos - isso inclui as pessoas que não são aniversariantes).

Local - Complexo Brasil 21 (SHS, Quadra 06, Bloco C - Hög Club);
Horário - 16h às 21h;
Idade: de 12 à 17 anos; 
Data: 12 de outubro de 2013 (sábado);

Observações: - a apresentação de documento com foto é obrigatória;
- é proibida a entrada de maiores de 18 anos;
- é proibida entrada de bermuda e moletom;
- proibida a venda e consumo de bebidas alcoólicas e cigarros;
- prezando a transparência do evento, os pais têm entrada liberada;


Bom, vamos aos preços:

  • Pista - R$ 30
  • Camarote open-bar (água, refrigerante, suco, energético, sorvete e mesa de doces) - R$ 60  *Camarote limitado*
Na lista bônus (válida até às 17h): 
  • Pista - R$ 25
  • Camarote open-bar - R$ 55
Lista bônus com os promoters;
Vocês podem procurar a promoter Mariana Castro, só mandarem um e-mail para mari15sul0@gmail.com.

Acompanhe as redes sociais da Supperclub:
Twitter: @Supperclub_Bsb
Instagram: @matinesupperclub
Curta no facebook: supperclubmatine
Confirme sua presença: Inauguração Matinê Supperclub

*As fotos postadas neste post foram pegas da página do evento*

Bom, é isso!
Espero que tenham gostado!!!

E aí, partiu?

Nos vemos lá! ;)

Beijitos!











4 de outubro de 2013

Playlist. #2

Bonitezas!

Andei meio sem tempo durante essa semana por conta das provas, trabalhos e de um curso que estou fazendo (em breve farei um post sobre ele - estou amando ♥), e por isso só hoje vim atualizar o blog. Como não tive tempo de pensar em coisas legais para postar hoje, peguei algumas músicas que andei ouvindo bastante nesta semana e montei uma playlist, espero que gostem! ;)


1 - Davi Moraes e Pedro Baby - É D'Oxum




2 - Jason Mraz - I W'ont Give Up



3 - Marcelo Camelo - Doce Solidão



4 - Ben Howard - Old Pine



5 - Guga Sabatiê - Incondicional 



6 - John Mayer - Gravity



7 - Hebert Viana e Leoni - Por Que Não Eu?




8 - Norah Jones - Come Away With Me



9 - Venessa da Mata - Boa Sorte / Good Luck



10 - The Cardigans - Lovefool




É isso, quero saber se gostaram, hein?
Quem tiver sugestões para a próxima playlist é só deixar nos comentários ;)

Beijitos!

27 de setembro de 2013

Último trem

12:51

Hoje acordei com uma vontade incontrolável de largar tudo e ir atrás das coisas e pessoas que me faziam bem, e que eu, por conta das voltas do mundo, deixei pra trás.
Um cansaço enorme toma conta de mim. Cansei de algumas pessoas, cansei de correr atrás para tentar fazê-las enxergar o que apenas elas não conseguem, cansei de querer por perto. Enfim, cansei de tanta coisa. É, estou num processo de mudança, de desapego.

Não está sendo fácil, ah, não está sendo mesmo, mas, infelizmente, ainda existem pessoas que esquecem nossos valores, esquecem que existimos e só nos procuram quando realmente precisam, e então entramos na fase do "o que eu fiz de errado?" ou do "ok, eu sou mesmo uma idiota, ~a pessoa~ tá certa!" e quando isso acontece é porque já está passando da hora de esquecermos um pouquinho do mundo e olhar para si mesmo, olhar as coisas que estão ao nosso lado. Optei por isso e digo uma coisa: apesar de tudo, me sinto muito melhor agora. Vi quantas coisas e pessoas boas estavam ao meu redor, entrando na minha vida e colorindo-a sem que eu percebesse. Finalmente acordei e refleti sobre o passado e o presente, vi quantas pessoas maravilhosas deixei pra trás e quantas pessoas eu, de certa forma, estava "desvalorizando".

Ainda estou em tempo de voltar atrás, e é por isso que estou aqui, prestes a pegar o último trem para reencontrar meus amigos, as pessoas que me deram (e continuam) dando valor, aqueles que por diversas vezes me deram conselhos, riram, choraram e brigaram comigo, e que mesmo com toda minha ignorância não desistiram de mim. São eles que quero por perto, que eu quero valorizar, cuidar e amar. 

25 de setembro de 2013

Nova paixão: Marcelo Camelo

Hey! :)

Bonitezas, é com muito amor que apresento à vocês a minha mais nova paixão: Marcelo Camelo.



  • Nome completo: Marcelo de Souza Camelo
  • Idade: 35 anos
  • Data de nascimento: 04 de fevereiro de 1978
  • Nascido no Rio de Janeiro
  • Profissão: cantor, compositor, baixista, guitarrista, violonista e poeta.
Formado em jornalismo no ano de 1997 pela PUC-RJ, onde começou a ter contato com os palcos, Marcelo formou três bandas (Drive By, Barnabé e Minanina's Popcorn) ao longo do curso e, em seguida, iniciou as formações da banda que viria a se chamar Los Hermanos.

Após a banda entrar em hiato, em 2008, Marcelo seguiu carreira solo e lançou seu primeiro disco, Sou (compre aqui), onde sua esposa-linda-e-fofa Mallu Magalhães - 14 anos mais nova -  com quem tem um relacionamento desde 2008 faz uma participação na música Janta (minha preferida ♥).

A fofura desse casal me encanta ♥

Depois de Sou, Marcelo lançou mais três CDs:
  • MTV Ao Vivo - Marcelo Camelo (2010) - [Compre aqui]
  • Toque Dela - (2011) - [Compre aqui]
  • Ao Vivo No Theatro São Pedro - (2013) - [Compre aqui]
Bom, agora vocês devem estar se perguntando o motivo desse homem ter se tornado a minha nova paixão. Os motivos: as letras dele fazem sentido pra mim, ele me traz paz e eu acho sua voz maravilhosamente linda.
Quem já deu uma olhada nas playlists que postei devem ter percebido que gosto de músicas leves e que têm letra e que através da mesma faz com que eu imagine uma situação e/ou me "parear" com algo que vivo ou que já tenha vivido.  

Enfim, Marcelo me encanta cada dia mais com seu jeitinho, suas letras e sua voz ♥

Janta - Marcelo Camelo part. Mallu Magalhães



Morena - Marcelo Camelo




Ahhhhhh, pessoas que moram/estão no Rio de Janeiro, o Marcelo se apresentará dia 27 de setembro (sexta-feira agora), no Circo Voador às 23h. Vocês podem comprar os ingressos pela internet nesse link.
E, para quem for: quero saber o que rolou, hehe. 

Beijitos,

Thaís





8 de setembro de 2013

Carta à você. #1

São exatamente meia-noite e trinta e cinco minutos, começo a escrever essa carta com a (quase) certeza de que você não lerá tudo e que isso vai te deixar mais confuso em relação ao que fomos e somos.

Te ver já não me faz tão bem, não consigo viver o presente, minha cabeça insiste em amar o passado e faz com que eu me encontre nele, somente nele. As coisas mudaram, mas as lembranças continuam aqui, e a cada segundo chego à conclusão de que preciso ir atrás de uma forma de te tirar de mim, de te tirar desse negócio chamado coração
.
Quem me dera conseguir por, pelo menos, três minutos te manter longe da minha mente ou conseguir apagar o passado e viver apenas o que somos hoje: pequenos conhecidos. E, eu juro, essa é a última coisa (até o nosso próximo encontro) que escrevo pra você.



Até qualquer dia!


3 de setembro de 2013

Não aprendi dizer adeus, não mesmo.

Não aprendi dizer adeus. Acredito que sei disso há muito tempo, mas a cada vez que descubro que hoje, amanhã ou depois precisarei me despedir, a certeza aumenta, e aumenta na mesma velocidade da dor que toma de conta. É como se cada momento vivido tivesse sido apagado naquele mesmo instante. As lembranças continuam, claro.
Paro e penso em cada segundo que vivi ao lado de vocês  que hoje, infelizmente, precisam seguir rumos diferentes (em lugares diferentes – longe de mim, no caso), precisam viver as surpresas da vida e tudo que eles planejaram para ela. Ah, cada momento… Momentos que eu gostaria de voltar atrás e vivê-los novamente, momentos que eu evito lembrar, enfim, momentos que amigos compartilham com a gente.
É uma mistura de sentimentos: tristeza pelo fato de saber que por um tempo a distância nos impedirá de dar os puxões de orelha cara-a-cara e de acompanhar cada conquista de pertinho, e felicidade por saber que as novas vidas começam, e que a cada dia vocês estão mais perto de alcançar aquilo que tanto querem. O “até logo” ainda não foi dado, estamos aqui, próximos, e eu já posso sentir cheiro de saudade. O que me conforta é saber que acima de tudo temos a amizade, e que independentemente da distância estaremos juntos. “Quem foi que disse que pra tá junto precisa tá perto?”

26 de agosto de 2013

Playlist da semana. #1

Oi, fofuras!

Bom, fiquei um tempo sem vir aqui sim, peço desculpas e prometo que isso não vai acontecer até eu (mais uma vez) não ter tempo nem pra parar em casa e pensar em algo legal para escrever. Hoje fiz uma playlist com as músicas que mais escutei na semana passada, escolhi dez, sendo cinco nacionais e cinco internacionais.

Nacionais:

  1. Felicidade - Maria Gadú e Leandro Léo.



     2. Sambinha Bom - Mallu Magalhães.


                                      


   3. Somos Quem Podemos Ser - Engenheiros do Hawaii




   4. Não vai voltar - Onze:20





    5. Aquela Velha Canção - Marisa Monte





Internacionais

    1. One More Night - Maroon 5





   2. Stay Out - Nina Nesbitt




    
    3. Both of Us - Madilyn Bailey



 


4. Twist and Shout - Gabrielle Aplin, Hudson Taylor, Lewis Watson e Orla Gartland



                                         



    5. Happier - A Fine Frenzy








Bom, é isso, espero que tenham gostado!
Ah, não esqueçam de me contar o que acharam das músicas e de me trazerem sugestões!

Beijitos,
Thaís.




  



5 de agosto de 2013

Guardando palavras.

Guardo palavras. Guardo porque sei que elas possuem o poder de machucar. Às vezes tenho que soltar palavras que gostaria de guardar só pra mim, tudo isso pela simples sensação de ouvir o coração gritando “NÃO, NÃO FALA!”, e isso me faz mal… muito mal!
Pensem na responsabilidade que temos ao falar certas coisas: temos que saber o quê e quando dizer, se não soubermos corremos o risco de perder quem amamos. Ou, se pensarmos pelo lado bom da coisa, nos afastamos de vez de quem não merece nossa atenção. Penso nisso e tenho a certeza de que o melhor é continuar guardando palavras, mas guardando com sabedoria, sabendo o tempo certo de fazê-las “voar”.
 As palavras estão guardadas para que as pessoas entendam toda a situação observando apenas as atitudes, assim, sem precisar dizer nada. Reconheço, palavras são necessárias pra tudo nessa vida, as amo e talvez seja por isso que estou sempre disposta a ler, escrever, falar e ouvir, mas não importa, enquanto houver paciência e inteligência certas palavras permanecerão trancadas. 

22 de julho de 2013

Procura-se amor.

Eram onze e meia da noite de um sábado em São Paulo – não, a história não acontece numa balada -, eu deveria estar aproveitando minha juventude, dançando, cantando, e fazendo tudo o que gosto com a galera da república, mas esse dia eu quis ficar sozinha, acompanhada de um som, um pedaço de papel, uma caneta e incensos de canela. Por quê? Porque eu finalmente senti que um vazio tomava conta dos meus pensamentos e sentimentos, ausência de algo que há tempos eu não sentia e nem via (sim, via)... o amor. Não quero que este seja apenas mais um texto cheio de ‘mimimi o amor’, aliás, eu mesma já cansei de ler (e fazer) coisas desse tipo. Cansei.

Uma coisa que me incomoda profundamente: falar a palavra “amor” e as pessoas acharem que quando estou falando sobre me refiro (apenas) ao sexo e a um namoro. Por favor, vamos entender, né.

Resolvi escrever sobre esse sentimento confuso e... blá blá blá. Não tinha o que escrever sobre ele. Não naquele momento. Precisei buscar algo que, pelo menos, me parecesse amor. Coloquei o casaco e saí por aquelas ruas movimentadas, não é possível que no meio de tanta gente eu não acharia o que tanto procurava. Nada me parecia ser amor. Como assim? Onde está o problema: em mim ou no mundo? [Foi a primeira coisa que pensei]. Cheguei à conclusão de que o problema está em nós. Em mim pelo simples fato de tão pouco conhecer o amor, e no mundo por não nos mostrá-lo inteiramente como deve ser. Pode parecer cafona ou errado, mas até que me provem o contrário eu acreditarei nisso.


Tantos “eu te amo” vazios por aí, tanto abandono nas horas difíceis, tantas palavras que deviam partir desse sentimento que foram, são e provavelmente continuarão sendo em vão, ausência de apoio, de ajuda ao próximo... Tanta falta de amor! Voltei pro cantinho onde resolvi ficar enquanto os outros curtiam, peguei a caneta e o pedaço de papel que ao sair deixei em cima da mesinha de centro e a única coisa que consegui escrever foi: procura-se amor. 

23 de junho de 2013

As coisas realmente mudam.

É. As coisas realmente mudam. Mudam depressa, num sopro, num piscar de olhos. Lembro do Nando, o menino lindo que estudou comigo da 1ª primeira série até a 7ª, pois é, digamos que ele foi minha primeira paixãozinha (e não, hoje isso pra mim não é fofo), ele era o queridinho das meninas da escola, todas em cima dele, e eu morria de ciúmes, ficava revoltada e chorava horrores quando chegava em casa. Enfim, o tempo passou e tcharan! Estávamos vivendo uma paixão juntos. Não por muito tempo. A vida pediu e tivemos que nos afastar, mas não paramos de nos falar, naquele momento ele era o homem da minha vida e segundo ele dizia eu era a mulher da vida dele – crianças! – nossas conversas via orkut e MSN não duraram por muito tempo também, quando percebemos já não tínhamos mais nada para conversar e tudo começou a ficar cansativo. Eu, com minha mente de menina de 11 anos – que nasceu em mil novecentos e uns bocados – achava que aquele sentimento que sempre havia julgado como amor ainda estava em nós, mas não, não foi bem assim. 
No fundo eu já sabia que aquilo não ia durar muito, até por que éramos bem jovens e nos caminhos da vida iríamos encontrar muitas pessoas interessantes, mas enfim, meu pensamento bobo estava tomando conta de mim: “Ele me ama, eu o amo, nós nos amamos e viveremos felizes para sempre”. E por isso continuei acreditando de certa forma que aquilo duraria uma vida inteira. NÃO! Uma vez ou outra perguntávamos às pessoas próximas notícias do outro, mas nada que pudesse fazer com que as coisas voltassem a ser como eram antes. Já dizia o grande Lulu Santos: Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia. Realmente. Ele está certíssimo. 
Sempre fomos da mesma turma, então quase todos os meus amigos também eram amigos dele, então começaram a surgir muitas festinhas onde nós dois éramos convidados e assim nos encontrávamos. Mas algo estava mais do que estranho. Já não era a mesma coisa. Mal nos falávamos agora. Trocávamos olhares e sorrisos, menos palavras. Minha timidez não deixava com que eu me aproximasse e puxasse um assunto qualquer, até por que eu já não tinha a mínima ideia do que falaria com ele. Esperei que ele tomasse atitude. Resultado: mais uma vez não nos falamos. Outro dia, andando no parque da cidade quem eu encontro? Sim, ele. Parou na minha frente. Nos olhamos por quase 3 minutos, sorrisos às vezes escapavam de nós, embora o clima não estava tão agradável como gostaria que fosse. Parecíamos desconhecidos. Diversos sentimentos tomaram conta de mim e eu já não tinha nem mesmo a certeza de que ele ainda estivera me olhando. Um estralo soou ao meu ouvido e então caí na real e pude sim perceber de que meus olhos já haviam encontrado os dele e que nada mais e nada menos iria acontecer. Respirei fundo, abaixei a cabeça e quando a levantei novamente, ele ainda estava lá, intacto, mal podia ouvir a respiração dele, estávamos à três palmos de distância, meus olhos mais uma vez encontraram os dele. Seguimos nossos caminho e desde então nunca mais o encontrei. 

21 de junho de 2013

Universo pequeno, mente menor ainda.

Estava passeando por aí. Sem rumo. Me deparo com uma das situações mais ridículas que podemos encontrar hoje, o preconceito. E é negativamente incrível a forma de como em pleno 2013, século XXI, ainda existe gente com mente tão pequena quanto seu universo pessoal. E o que eu sinto? Nojo, apenas. Na verdade sinto pena das pessoas, aliás tudo isso faz com que eu tenha certeza de que nem todas as pessoas estão abertas às coisas novas, informações do dia-a-dia, e isso me entristece, de verdade.
Por que será que é tão difícil abrir a mente e começar a olhar as coisas ao redor? Fica tudo tão mais fácil, tão lindo e compreensível. Mas a impressão que tenho é que a cada passo que o mundo tem oportunidade de dar as pessoas simplesmente ignoram e se fecham num “micro-universo pessoal” onde o centro é seu próprio umbigo. Se é que me entendem. Não estou falando só de aceitar, estou falando acima de tudo em respeitar.
Que mundo é esse que obrigatoriamente temos que ser gays para defender os que são? Que mundo é esse onde Deus não aceita o amor entre pessoas do mesmo sexo? Que mundo é esse em que todas as mulheres que usam short, saia, vestido curto e etc, são consideradas putas? Que mundo é esse que quando um homem é educado e “estiloso” acaba sendo espancado na rua sendo chamado de “viadinho” e a sociedade cruza os braços, calam a boca e quando a abrem é só pra soltar gargalhadas desnecessárias? E esse mundo onde pessoas negras que usam roupas simples são consideradas bandidas e (quase) sempre levam nas costas a culpa de tudo? Que mundo é esse que os negros são tratados como lixos durante 24hrs? Que mundo é esse que só gira em torno de dinheiro? Que mundo é esse onde ainda existem pessoas assim?
Esse é o “micro-universo particular” que é criado e cercado por infinidades de outro que também são assim. Como diz o grande Caetano Veloso: “nós somos uns boçais”. E sim, nós realmente somos. A parte boa disso tudo? É que podemos (e no fundo devemos) mudar isso. Não podemos ficar calados, não podemos cruzar os braços. O que temos que fazer é abrir a mente, esperar que diversas coisas novas possam tomar aquele espaço que só tinham coisas “vazias” e assim perceber que somos sim capazes de aceitar mudanças. Mudanças que vão com certeza nos levar até o caminho do crescimento. “Cresça, independente do que aconteça.” Abra a mente, isso basta.

9 de junho de 2013

Entrevista com a Luly Trigo!

Oi chuchus!
Bom, hoje o bate-papo é com a escritora do livro “Carnaval”, Luiza Trigo. Em breve publicarei a resenha do livro que eu amei, e super indico. (Compre aqui).
Vamos saber um pouco mais sobre a Luly? C’mon guys!
798310_332804656835659_513308887_o
734906_332567086859416_122575610_n
  1. Quem é a Luiza Trigo? Como você se define?
Acho que sou uma eterna criança, menina sapeca que gosta de brincar e pular pelas ruas. Que vive sonhando acordada e acredita em contos de fadas. E para quem acha que príncipe encantado não existe… Eu digo que existe sim! Sou louca por doces e Disney e gosto de levar a vida de uma maneira mais leve, mais alegre, não levo nada a sério, só se for muito necessário. E aproveitando a leveza do momento… pode me chamar de Luly. ;)
  1. Quando resolveu ser escritora? Por quê?
Eu acho que a vida fez de mim escritora. Eu nunca pensei em seguir essa profissão antes de ter escrito Carnaval. Quando escrevi o livro, foi tão rápido e mágico que eu digo que desceu um santo. Eu vou me vendo escritora com o passar do tempo,com a resposta do público, com os textos do blog, com as ideias na cabeça… E a cada dia mais tenho a certeza que isso é o que eu quero fazer para o resto da vida.
  1. Qual é a sua maior fonte de inspiração?
A minha vida e a vida que não vivi. Muito do que escrevo são cenas que aconteceram comigo, mas de uma forma diferente, de como eu gostaria que tivesse sido. E observo muito ao meu redor também, a vida das amigas, da família e até de estranhos na rua.
  1. Nesse caminho de escritora qual foi o maior obstáculo que teve de enfrentar? Por conta dele em algum momento você pensou em desistir?
Eu ainda estou no caminho, né?! E ainda estou enfrentando muitos obstáculos. Não vou mentir dizendo que nunca pensei em desistir, mas foi sempre daquela maneira que não é séria, sabe? Foi só um “se eu fosse engenheira seria tudo mais fácil”. (Risos). A vida de escritor iniciante é muito difícil,  mesmo com editora ainda temos muitas portas para bater e como ninguém nos conhece, muita gente não nos dá atenção. É um caminho difícil, mas com os leitores maravilhosos que tenho, fica difícil de desistir de verdade. São eles quem me mantém firme e forte.
  1. Os seus personagens têm muito a ver com algum amigo ou um parente seu?
Sim! Alguns muitos. Hehehe O Mateus, por exemplo, é um primo meu que adoro muito, apesar de não estar tendo muito contato com ele agora. As irmãs da Gabi são exatamente minhas irmãs, inclusive não escondi muito isso, já que os nomes são parecidíssimos, no livro: Lara e Marina, e na vida real Clara e Mariana. (Risos). A tia da Gabi é inspirada em uma tia maravilhosa que tenho no Recife. A Tatá é uma amiga exagerada e escandalosa… Entre alguns outros.
  1. A Gabi tem algumas coisas parecidas com você? O quê?
Acho que sim. Eu nunca tive muito medo de viver, de fazer as coisas que vinham na minha cabeça. Se eu estava afim do cara, eu conquistava o cara. Sempre fui de correr atrás do que quero. Eu levo comigo uma frase que adoro “Não arriscar nada, é arriscar tudo”, ou como meu namorado fala “O “não” você já tem”, por que não tentar, né?! Então eu acho que nesse sentido somos muito parecidas. Ela também é assim. E os gostos musicas, cinematográficos, os pintores que ela adora… São todos meus. (Risos)
  1. Assim que você lançou seu livro qual foi a coisa que mais te surpreendeu? 
A resposta e o carinho dos leitores. Eles são a melhor parte disso tudo. Eu amo muito escrever e entrar no mundo dos personagens, é um processo intenso e muito encantador, mas a reação dos leitores barra tudo isso. Como diz a Bruna Vieira, é quase como ouvir um “Te amo”  da pessoa amada.
  1. Quais são seus planos para o futuro?
Eu quero seguir escrevendo. Publicar os três outros livros já escritos e escrever as outras mil ideias que estão na cabeça. Queria muito ser colunista de revista teen, esse é um sonho meu e também escrever seriado para TV, mas infelizmente isso é uma coisa que não temos ainda no Brasil.
  1. Qual a sua dica para quem tem o sonho de ser escritor/a?
Acreditar em si mesmo e não desistir nunca. Como disse antes, o caminho é muito difícil e temos que passar por muitos “nãos”, mas não podemos deixar isso nos desanimar, temos que levantar a cabeça e seguir em frente, acreditando no nosso trabalho. Afinal somos brasileiros, não é?
10. Um recadinho para seus leitores:
Obrigada a todos vocês que leram essa entrevista. Aos meus velhos leitores, obrigada por todo carinho de vocês (SEMPRE). E aos novos, sejam bem vindos, espero que tenham gostado de mim. (Risos) E espero que se interessem pelo meu filhote. Um beijo para todos! :***
Babies, espero que tenham gostado do bate-papo com a Luly Trigo. Ela é uma fofa, né? Bom, vocês podem acompanhá-la pelo twitter, pela página oficial no facebook e também pelo blog dela. 

Beijitos!